O Peralta

Peralta ( Crônica) Quando ele chegou era daqueles que não escondiam a origem. Nunca nos enganou. Quando falo assim no plural é por força de expressão, porque eu mesma não me envolvia com essa área. Não tinha tempo, nem interesse e nem paciência. Mas não havia como ignorá-lo. Era muito intrometido, andava pela casa todaContinuar lendo “O Peralta”

Minhas mãos

Sabe o que me pertence? O meu corpo. Falo do corpo mesmo. Cabeça, braços, torso, pernas, mãos. Conheço cada pinta nova, cada ruga, cada mancha. Antes eu só olhava meu rosto. Meus olhos contavam o que me ia na alma, no espírito.Tempo de perguntas, tempo de surpresas, tempo de urgências. Isso bem antes, na juventude.Continuar lendo “Minhas mãos”

Insônia

Insônia… Se a insônia soubesse como eu gosto de viver em outros mundos, outras dimensões, outras realidades, não me tirava o sono! Se a insônia ouvisse o zumbido constante que ouço, me deixava descansar dele… Se a insônia soubesse quantas casas decorei, quantos diálogos travei, quanta vida relembrei, ela me deixaria dormir. Insônia…

Centro de Convivência e Integração do Idoso – CCII

Essa sigla é uma perspectiva minha. Centro de Convivência e Integração dos Idosos.  Desconheço se existe esse local, mas penso que deveria existir. Poderia ser fruto de uma política pública de sucesso, um lugar agradável onde os idosos, a exemplos das crianças em CEINF fossem passar o dia, praticar um hobby, ter grupos de conversação,Continuar lendo “Centro de Convivência e Integração do Idoso – CCII”